quarta-feira, 6 de julho de 2011

E é tudo

E é tudo. Aqui concluímos os passos deste projecto pelas palavras e emoções do livro e da leitura.
(Imagem de Nicoletta Ceccoli)

terça-feira, 5 de julho de 2011

Last one

Chegados aqui e após dias de entusiasmo, dificuldades diversas, uma colaboração empenhada, muitas mensagens, quarenta e tal mil visitantes chegámos a um ponto final. Pensei numa imagem que melhor desse corpo a essa ideia de entusiasmo e alegria que é incomparável nas crianças. E pareceu-me que a leitura, a partilha de histórias e o encontro nesse espaço que Bachelard um dia disse que seria uma ideia do Paraíso,a Biblioteca, não poderia ser melhor dada do que pelos leitores.

Este Blogue procurou ser um espelho para reflectir uma comunicação, uma participação pelas ideias, pela sugestão de pensamentos que nos desse a afirmação de uma cidadania que passou pelos acontecimentos que podem dar corpo à cidadania. Ser um ponto de ligação entre elementos de uma escola foi esse o propósito desta plataforma.

As ideias e os projectos que por aqui passaram seriam impossíveis de concretizar sem a participação de diferentes elementos da escola e do agrupamento. Estabelecemos com alguns uma relação afectiva que foi importante para o prazer de aqui ter estado. Não vale a pena citar nomes, pois haveria sempre o risco de um esquecimento involuntário. A alegria do gostar de fazer, com a determinação e a dedicação são valores que se reconhecem em muitos dos elementos que foram no fundo a própria Biblioteca.

Sobre a qualidade do que por aqui passou há muitos observadores para o avaliar. Certamente faltou concretizar algumas ideias e projectos pensados nestes dois anos. É sempre possível fazer melhor e esse é o desafio da próxima equipa da Biblioteca. Este projecto pode ser continuado por outros e terão sempre a dedicação da "assistente operacional" da Biblioteca, que revelou ser uma pessoa dedicada à escola e aos alunos. Também por isso este projecto que aqui desenvolvemos valeu o esforço e dedicação.

A terminar gostava de deixar muitas felicidades a todos e que como diz Sophia possamos ainda nos dias à frente ter a possibilidade de "construir a partir do fundamento", em dias de liberdade e afirmação de cada um.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Página da BE da EB1 dos Leões


A Biblioteca decidiu construir um site para alojar alguns dos documentos / actividades / ideias que foram sendo construídos. Ainda não está pronto e só o ficará para o fim do mês de Julho. Está já online e manterá esta estrutura que já foi feita. O seu endereço (http://www.wix.com/eb1leo/be) é já definitivo. Fica como memória da actividade dinamizada e organizada pela BE. Ao longo do mês podem ir dando uma visita de olhos.

Numa Escola do 1º Ciclo


Fernanda Pessoa disse-o com clareza, "as crianças são o melhor do mundo", mas nem sempre nos lembramos com a devida intensidade da clareza do olhar, do espanto pela fantasia como se olha as possibilidades de cada caminho.

A infância é um país distante, onde ainda se respira cada dia com a emoção da descoberta e onde o tempo e a sua voracidade ainda não se fazem sentir. E quando chegamos a adultos, tentamos recuperar instantes desses tempos mágicos, mas não é fácil chegar à compreensão do que se passa na cabeça das crianças, na sua psicologia.

A infância é um espaço de crescimento, uma viagem única. E é por aqui que passa o encanto dos alunos do 1º Ciclo. Com eles as actividades de aprendizagem fazem da escola um espaço de afectividade de muito maior alcance que noutros níveis. Diferença que também notamos pelo entusiasmo pela leitura, por aquelas frases “conta-me uma história”, ou “esse livro é muito infantil” e pela procura do espaço do livro e naturalmente da Biblioteca.

Aprendi nestes dois anos muito sobre o que é aprender em idades tão jovens, sobre a forma generosa como respondem a qualquer desafio, sem hesitações. São um público exigente, mas igualmente fiel ao que lhe é proposto. Aprendi na prática o que Sophia dizia sobre elas “a tenra idade não significa infantilidade nas ideias.” Aprendi com mais realismo o que se percebe com dificuldade nos conselhos pedagógicos sobre as dificuldades vividas no 1º Ciclo pelos professores e as infinitas incapacidades da organização de recursos que em determinadas autarquias são uma clara ineficiência na gestão das possibilidades de trabalho que se procuram desenvolver.

E aprende-se que tantos governos, tanta “coragem” para mudar a educação, mas o que realmente nos faz falta é gerir com simplicidade. É uma pena que se insista numa ideia mental burocrática, pois ela nada responde ao valor e à energia dos que querem aprender sobre o mundo que receberam, mas ao qual pretendem acrescentar um caminho de realização pessoal. Essa é a única meta que devia interessar às escolas.

sábado, 18 de junho de 2011

Caixa de Histórias - O Projecto

A Caixa de Histórias foi uma actividade realizada pelas estagiárias da BE do Agrupamento de Escolas Dr. Ginestal Machado, alunas do Curso de Animação Cultural e Educação Comunitária da Escola Superior de Educação de Santarém, com turmas do 1º, 3º e 4º Anos.

Esta actividade tinha como objectivos:
- Estimular os/as alunos/as à leitura e à escrita;
- Desenvolver competências de escrita de narrativas;
- Reflectir sobre questões de higiene;
- Estimular a criatividade dos/as aluno/as;
- Construir recursos novos para a Biblioteca Escolar, que permitam trabalhar uma das temáticas da Educação para a Saúde: a higiene;

A actividade consistia em pedir aos alunos/as que retirassem de cada uma das gavetas, cumprindo sempre a sua ordem, um cartão que os iria ajudar a escrever a sua história. A sequência dos cartões da história era o seguinte:

1ª Gaveta - A aventura começa assim;
2ª Gaveta - Os super homens e mulheres:
3ª Gaveta - Lugares encantados;
4ª Gaveta - Missões Possíveis;
5ª Gaveta - Lugares da aventura;
6ª Gaveta - Os trapalhões e trapalhonas da aventura;
7ª Gaveta - Os ajudantes da aventura;
8ª Gaveta - O que os vai ajudar;
9ª Gaveta - Final feliz;
10ª Gaveta - E para terminar a história;

Deste modo era então possível aos/às alunos/as a construção de uma história utilizando um método diferente que os ajuda a estimular a sua criatividade, uma vez que as histórias produzidas são muito engraçadas.

As Estagiárias

Caixa de Histórias - Materiais III

(Materiais para a construção das Histórias - Caixa de Histórias)

Caixa de Histórias

Certo dia ao acordar, a Escova de Dentes Mágica que vivia num armário pequenino, vermelho e azul teve uma missão para cumprir, que era: avisar o Pente que a Escova de Dentes não precisa de ser penteada.

A missão passou-se no candeeiro no tecto que era verde e pequenino. A Escova de Dentes Mágica estava no candeeiro e apareceu para atrapalhar o Secador que se ligou e empurrou a Escova de Dentes Mágica.

Para a salvar apareceu o Champô de Morango e ajudou a Escova de Dentes Mágica a não cair, com ele trouxe a Janela que deixa entrar os Duendes da salvação das casas de banho. Quando os Duendes entraram pela janela e subiram pelo fio do Secador para o candeeiro para o desligarem para que a Escova de Dentes Mágica não caísse.

Para comemorar vão todos no Tapete Mágico fazer uma viagem para darem a volta ao mundo.

Antes da viagem o Secador, muito arrependido, pediu desculpa à Escova de Dentes Mágica e ao Champô de Morango.

Com pasta de perlimpimpim a história chegou ao fim.

(História criada pelo 3ºB - Dinamização: Estagiárias do Curso de Animação Cultural e Educação Comunitária)

Caixa de Histórias - Materiais II


(Cartas de apoio à construção de Histórias - Caixa de Histórias)

Caixa de Histórias

História do Pente Trapalhão

Numa bela manhã o Pente trapalhão que era, pequeno, azul, rosa e roxo vivia na banheira que era branca, rosa e amarela estava a passear pela casa de banho.

Nessa mesma manha recebeu uma missão, ajudar a Esponja a fazer as pazes com o Sabonete Fantástico, porque a Esponja pregou uma partida ao Sabonete e ele ficou com muito medo e assustado porque pensou que ia cair ao chão.

A missão passou-se no tapete que era roxo, rosa e amarelo. Este tapete era muito especial, tinha um poder mágico que era voar.

Enquanto a missão estava a ser resolvida, de repente apareceu o Cesto da Roupa suja que veio atrapalhar, porque não queria que todos ficassem amigos.

Apareceu a Esfregona Brilhante que veio ajudar a que todos ficassem amigos, mas para isso, trouxe consigo a chave que abre a porta para o mundo da amizade. Só assim foi possível resolver a missão, a Esponja e o Sabonete Fantástico ficaram amigos e ainda convidaram o Cesto da Roupa Suja para ir fazer uma viagem no tapete mágico até França, Serra da Estrela e Porto.

História contada, gavetas fechadas!

(História criada pelo 1º A - Dinamização: Estagiárias do Curso de Animação Cultural e Educação Comunitária)

Caixa de Histórias - Materiais I

(Cartas de apoio à construção de Histórias - Caixa de Histórias)

domingo, 12 de junho de 2011

Caixa de Histórias

Posted by Picasa

O festejo na discoteca

Numa bela manhã de sol havia um Super Homem que era forte, alto, gordo e com muitos músculos que estava sempre na casa de banho que era limpa, arrumada e tinha jacuzzi e televisão.

O Super Homem tinha uma missão possível que era, derrotar o Minotauro, o homem bicho era grande, tinha 12 metros de altura, era forte, feio e azul com cornos amarelos.

Um dia ele recebeu um mapa trazido pelos ventos do sul, e foi ver onde estava a selva demoníaca para encontrar o Minotauro.

Quando chegou à selava, encontrou o Pirata Fedorento e só porque se aproximou, desmaiou.

Para o ajudar, o Super Zombie apanhou o Pirata e deu-lhe um banho num mar de espuma com folhas aromáticas: pinheiro; eucalipto e alecrim.

O cheiro do alecrim despertou o Super Homem que consigo trouxe a espada mágica, fez a barba ao Pirata e limpou-lhe a boca. Num ápice esticou o braço e voou a toda a velocidade em direcção ao Minotauro, amarrou-o a uma macieira e tirou-lhe o saco com o dinheiro que ele tinha roubado na caixa registadora da discoteca e foi entrega-lo ao dono e dona da discoteca.

No final da missão, para festejar o dia tão importante foram de carro à discoteca.

E para terminar a história, Conto contado e bem acabado!

(Texto criado pelo 3ºB - Dinamização: Estagiárias do Curso de Animação Cultural e Educação Comunitária)


sexta-feira, 10 de junho de 2011

Dia da Criança - Actividades





Dia da Criança - Actividades



(Expressão plástica feita a partir da Leitura do Ponto - Alunos das turmas do 1º Ano)

O Ponto




A aula de desenho tinha terminado,
mas a Vera continuava colada à cadeira.

A sua folha estava vazia. (...)

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Dia Mundial da Criança



No Dia Mundial da Criança muito se podia escrever sobre o mistério da infância, quando o tempo ainda está prisioneiro nos seus limites, e a fantasia é uma ideia para todos os momentos do dia. Podíamos verificar como a literatura tem tentado guardar com as suas criações o tempo mágico, como Peter Pan que nunca cresceu, ou Alice que se multiplicou em aventuras de curiosidade ou Tom Sawyer que pelos campos criava a liberdade de existir.

Deixamos em alternativa um projecto que no quotidiano faz uma reconstrução dos dias a crianças vítimas de extrema pobreza e violência. Nas ruas de Bombaim desenvolve-se uma conquista de uma infância que se concretiza em escolas, onde ainda é possível acreditar que é possível mudar formas de vida, onde o sonho de um mundo melhor se pode concretizar.

Trata-se de uma ONG, que nasceu da vontade individual de um homem e que soube ousar sobre a pobreza um futuro digno para os mais pobres bairros e ruas de Bombaim. Vale a pena conhecer, pela inspiração que nos dá para um mundo melhor. A conhecer, aqui.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Lágrimas de Crocodilo




"- Lágrimas de crocodilo!
- O que é que são lágrimas de crocodilo?
- Eu vou-te explicar (...)"

Desenhos (Nuno, Pedro Francisco e Maria - 3º A)

A Árvore Generosa


Era uma vez uma árvore...

Pedro (2º B)

Orlando (2º C)
Leonor (2º C)
Mariana (2º C)

domingo, 8 de maio de 2011

O Autor do Mês - Cecília Meireles

Sede assim — qualquer coisa
serena, isenta, fiel.


Flor que se cumpre,
sem pergunta.

Onda que se esforça,
por exercício desinteressado.

Lua que envolve igualmente
os noivos abraçados
e os soldados já frios.

Também como este ar da noite:
sussurrante de silêncios,
cheio de nascimentos e pétalas.

Igual à pedra detida,
sustentando seu demorado destino.
E à nuvem, leve e bela,
vivendo de nunca chegar a ser.

À cigarra, queimando-se em música,
ao camelo que mastiga sua longa solidão,
ao pássaro que procura o fim do mundo,
ao boi que vai com inocência para a morte.

Sede assim qualquer coisa
serena, isenta, fiel.

Não como o resto dos homens.
Cecília Meireles, Sugestão, in, www.astormentas.com

domingo, 1 de maio de 2011

domingo, 24 de abril de 2011

Feliz Páscoa

Imagem (http://eufisica.blogs.sapo.pt)

sábado, 2 de abril de 2011

Dia Internacional do Livro Infantil

No Dia do Internacional do Livro Infantil a mensagem para este ano da IBBY, sobre o que os livros nos trazem, nessa época em que como crianças, ainda dominamos o tempo com a imaginação da fantasia, onde todos os sonhos são possíveis. Ver aqui.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Memória de Mário Viegas

De Mário Viegas as palavras serão sempre poucas, raras, marginais para descrever a entrega a elas e à poesia. Raras para o assombro da voz, a plasticidade do rosto, a expressão dos olhos, a fúria por aquilo que consome o actor e o que o faz amar, em múltiplas cabeças, o que o torna humano e universal, quando "ornamenta Deus com simplicidades silvestres". (1)

Dele ficará sempre a doçura e a raiva na voz contra o que desejamos e não sabemos ser, contra o conformismo perante o verniz que destoa a claridade do dia e o perfume das maçãs. Fomos com ele um sonho de manhã silvestre, por onde hoje caminhos efémeros se diluem, ainda que tenhamos nos olhos o mês de Maio.



(1) Herberto Helder. "O Actor"

quarta-feira, 30 de março de 2011

Memória de Vincent

(No nascimento de Vicent, a beleza simples da criatividade, em pinceladas que nos dão a apreensão do real, em tons vivos de genialidade.)




segunda-feira, 21 de março de 2011

Anunciando a Primavera

Era preciso agradecer às flores
Terem guardado em si,
Límpida e pura,
Aquela promessa antiga
Duma manhã futura

Depois do Inverno, morte figurada,
A primavera, uma assunção de flores.
A vida
Renascida
E celebrada
Num festival de pétalas e cores.

Olhos postos na terra, tu virás
no ritmo da própria primavera,
e como as flores e os animais
abrirás as mãos de quem te espera.


"Flores", "Primavera", "Glória" de Sophia; Miguel Torga e Eugénio de Andrade

Imagem de Ana Isabel Valfigueira

sexta-feira, 18 de março de 2011

Projecto Tsunami

Chama-se Projecto Tsunami e é uma resposta pela arte, difundido pelas redes sociais para construir desenhos sobre o terrível tsunami que abalou há uma semana o Japão. Agregado pela comunidade CFSL.net pretende que um conjunto de ilustradores dêem a sua visão sobre o terrível momento de destruição. Os desenhos serão vendidos e leiloados, de modo ajudar a reconstrução da vida.

domingo, 13 de março de 2011

Uma esperança

Ontem na Praça dos Aliados, no Porto, como em muitas cidades respirou-se o calor da protesto contra a construção de dias onde se ameaça a liberdade individual de pessoas intercaladas em várias gerações. Foi gratificante para os que participaram num movimento contra a apatia instalada e uma demonstração que ainda há esperança. E foi igualmente para os que não foram pelo exemplo que receberam.

Haverá sempre horizonte de possibilidades quando um povo decidir sair à rua e mostrar a sua vontade, quando se confirmar que quem governa nada percebe da dinâmica social e é preciso lutar contra o aproveitamento que uma tecnocracia dividida entre Bruxelas e São Bento faz da esperança e dos direitos individuais de cada um.

Foi um primeiro sinal de que é preciso dignidade no espaço público da governação. A governação só pode ser aceite quando transpira de um contrato representativo dos cidadãos. Aos que ficaram presos na arqueologia do absolutismo mental e institucional é preciso com insistência reunir pela voz e pela acção pacífica a demonstração do seu erro. Precisamos lutar por essa clarividência contra os que persistem ser personagens do museu da História.